Lithium recovery from lepidolite

Electric cars and their batteries are on the top of the public agenda; Elon Musk’s high-profile Tesla (his company and his just-launched-into-space car) and the need to decarbonise the world’s economy have turned the public’s eye into the issue of lithium batteries, normally the realm of engineers and mining investors (how many of those in the general public know how batteries work and what are they made of?) .

Portugal is endowed in lithium, present in several minerals in the country’s pegmatite districts. Lepidolite (a pink mica – just follow the link for a nice lepidolite picture in this blog) is one of the lithium-containing minerals, until now mostly used in Portugal in special ceramics. Foreign junior miners have recently fired up a quest for lithium in Portuguese lithium-mineralised pegmatite deposits, contributing to an even higher high-profile in Portuguese media – also check the Portuguese Government’s task force report on lithium.

A team of Portuguese researchers from Instituto Superior Técnico and LNEG has just published an article on the “Optimization of an innovative approach involving mechanical activation and acid digestion for the extraction of lithium from lepidolite.” The team is composed by Nathália Viecel, Carlos A. Nogueira, Manuel F. C. Pereira, Fernando O. Durão, Carlos Guimarães and Fernanda Margarido.

Abstract
The recovery of lithium from hard rock minerals has received increased attention given the high demand for this element. There- fore, this study optimized an innovative process, which does not require a high-temperature calcination step, for lithium extraction from lepidolite. Mechanical activation and acid digestion were suggested as crucial process parameters, and experimental design and response-surface methodology were applied to model and optimize the proposed lithium extraction process. The promoting effect of amorphization and the formation of lithium sulfate hydrate on lithium extraction yield were assessed. Several factor combinations led to extraction yields that exceeded 90%, indicating that the proposed process is an effective approach for lithium recovery.

International Journal of Minerals, Metallurgy and Materials
Volume 25, Number 1, January 2018
https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs12613-018-1541-7

(Yes, some on the team are old colleagues and friends of mine; nonetheless, congrats on the work done).

Nova Edição do Curso sobre Avaliação de Jazigos e outros Activos Minerais

IST (FUNDEC – 21, 22 e 23 de Junho 2017) – Luís Chambel (Sínese) e Jorge de Sousa (IST)

O curso destina-se a engenheiros de minas e geólogos, estudantes de licenciaturas e mestrados nas áreas da engenharia de minas e geologia, gestores de empresas mineiras, analistas de bancos e empresas do sector financeiro com atividade no sector dos recursos minerais.

Para obter o programa do curso, clique aqui: programa-avaliacao-jazigos_jun2017.

A ficha de inscrição pode ser obtida aqui: ficha-de inscrição-avaliacao-jazigos_jun2017

Após um superciclo de expansão de produção (preços e volumes), a indústria mineral encontra-se numa fase caracterizada pela incerteza quanto às perspectivas futuras, por uma tendência geral de baixa de produção e acréscimo da volatilidade de preços. As decisões de investimento ou desinvestimento ou financiamento dum projeto de prospecção ou exploração de um depósito mineral são críticas em qualquer fase do ciclo económico; são especialmente relevantes em situações como as atuais.

Aquelas decisões baseiam-se, em última análise, na capacidade de avaliar corretamente os jazigos e minas, isto é, de estimar custos (OPEX e CAPEX), receitas e risco associados à mineração do jazigo com base nas características da mineralização (e.g. volume, teor e preço unitário da mineralização e suas distribuições espaciais) e do maciço (e.g. hidrogeologia, geotecnia) e nas condições operacionais e de mercado (atuais e previsíveis).

O curso tem como objectivo fornecer aos participantes as bases teórico-práticas necessárias para avaliar jazigos e outros ativos minerais. Com este curso, os formandos desenvolverão competências para calcular o valor de jazigos e outros ativos minerais, estimando, classificando e reportando os recursos e reservas de jazigos minerais aplicando padrões internacionais. O curso apresenta de forma interligada um conjunto de metodologias, conceitos e ferramentas úteis na avaliação de jazigos e ativos minerais, nomeadamente:

  • Modelo DCF (discounted cash flow)
  • Normas internacionais – NI – 43.101 e CIM (Canadá), PERC (União Europeia), Nações Unidas, SME (Estados Unidos).
  • Métodos quantitativos, estatísticos e geoestatísticos de cálculo de recursos e reservas.
  • Métodos de avaliação de jazigos e concessões.
  • QA/QC, competent/qualified person.
  • Avaliação de risco.

O curso é apresentado recorrendo a casos práticos de avaliação de jazigos e outros activos minerais, nacionais e internacionais.

Para obter mais informações, contactar luischambel@sinese.pt.

Nova Edição do Curso sobre Avaliação de Jazigos e outros Activos Minerais

IST (FUNDEC – 19, 20 e 21 de Setembro 2016) – Luís Chambel (Sínese) e Jorge de Sousa (IST)

O curso destina-se a engenheiros de minas e geólogos, estudantes de licenciaturas e mestrados nas áreas da engenharia de minas e geologia, gestores de empresas mineiras, analistas de bancos e empresas do sector financeiro com atividade no sector dos recursos minerais.

Para obter o programa do curso, clique aqui: programa-avaliacao-jazigos_set2016.

A ficha de inscrição pode ser obtida aqui: ficha-de inscrição-avaliacao-jazigos_set2016

Após um superciclo de expansão de produção (preços e volumes), a indústria mineral encontra-se numa fase caracterizada pela incerteza quanto às perspectivas futuras, por uma tendência geral de baixa de produção e acréscimo da volatilidade de preços. As decisões de investimento ou desinvestimento ou financiamento dum projeto de prospecção ou exploração de um depósito mineral são críticas em qualquer fase do ciclo económico; são especialmente relevantes em situações como as atuais.

Aquelas decisões baseiam-se, em última análise, na capacidade de avaliar corretamente os jazigos e minas, isto é, de estimar custos (OPEX e CAPEX), receitas e risco associados à mineração do jazigo com base nas características da mineralização (e.g. volume, teor e preço unitário da mineralização e suas distribuições espaciais) e do maciço (e.g. hidrogeologia, geotecnia) e nas condições operacionais e de mercado (atuais e previsíveis).

O curso tem como objectivo fornecer aos participantes as bases teórico-práticas necessárias para avaliar jazigos e outros ativos minerais. Com este curso, os formandos desenvolverão competências para calcular o valor de jazigos e outros ativos minerais, estimando, classificando e reportando os recursos e reservas de jazigos minerais aplicando padrões internacionais. O curso apresenta de forma interligada um conjunto de metodologias, conceitos e ferramentas úteis na avaliação de jazigos e ativos minerais, nomeadamente:

  • Modelo DCF (discounted cash flow)
  • Normas internacionais – NI – 43.101 e CIM (Canadá), PERC (União Europeia), Nações Unidas, SME (Estados Unidos).
  • Métodos quantitativos, estatísticos e geoestatísticos de cálculo de recursos e reservas.
  • Métodos de avaliação de jazigos e concessões.
  • QA/QC, competent/qualified person.
  • Avaliação de risco.

O curso é apresentado recorrendo a casos práticos de avaliação de jazigos e outros activos minerais, nacionais e internacionais.

Para obter mais informações, contactar luischambel@sinese.pt.

Curso sobre Avaliação de Jazigos e outros Activos Minerais

IST (FUNDEC – 11, 12 e 13 de Abril 2016) – Luís Chambel (Sínese) e Jorge de Sousa (IST)

O curso destina-se a engenheiros de minas e geólogos, estudantes de licenciaturas e mestrados nas áreas da engenharia de minas e geologia, gestores de empresas mineiras, analistas de bancos e empresas do sector financeiro com atividade no sector dos recursos minerais.

Após um superciclo de expansão de produção (preços e volumes), a indústria mineral encontra-se numa fase caracterizada pela incerteza quanto às perspectivas futuras, por uma tendência geral de baixa de produção e acréscimo da volatilidade de preços. As decisões de investimento ou desinvestimento ou financiamento dum projeto de prospecção ou exploração de um depósito mineral são críticas em qualquer fase do ciclo económico; são especialmente relevantes em situações como as atuais.

Aquelas decisões baseiam-se, em última análise, na capacidade de avaliar corretamente os jazigos e minas, isto é, de estimar custos (OPEX e CAPEX), receitas e risco associados à mineração do jazigo com base nas características da mineralização (e.g. volume, teor e preço unitário da mineralização e suas distribuições espaciais) e do maciço (e.g. hidrogeologia, geotecnia) e nas condições operacionais e de mercado (atuais e previsíveis).

O curso tem como objectivo fornecer aos participantes as bases teórico-práticas necessárias para avaliar jazigos e outros ativos minerais. Com este curso, os formandos desenvolverão competências para calcular o valor de jazigos e outros ativos minerais, estimando, classificando e reportando os recursos e reservas de jazigos minerais aplicando padrões internacionais. O curso apresenta de forma interligada um conjunto de metodologias, conceitos e ferramentas úteis na avaliação de jazigos e ativos minerais, nomeadamente:

  • Modelo DCF (discounted cash flow)
  • Normas internacionais – NI – 43.101 e CIM (Canadá), PERC (União Europeia), Nações Unidas, SME (Estados Unidos).
  • Métodos quantitativos, estatísticos e geoestatísticos de cálculo de recursos e reservas.
  • Métodos de avaliação de jazigos e concessões.
  • QA/QC, competent/qualified person.
  • Avaliação de risco.

O curso é apresentado recorrendo a casos práticos de avaliação de jazigos e outros activos minerais, nacionais e internacionais.

Para obter mais informações, contactar luischambel@sinese.pt.

Regulamentação do Processo Kimberley em Portugal – sessão de divulgação

Sessão de divulgação no Instituto Superior Técnico – 17 de Março, 18h00-19h00, sala P1 no Pavilhão de Matemática

Foi recentemente publicada a legislação que regulamenta em Portugal o comércio internacional de diamantes em bruto. Embora hajam ainda passos a dar, esta é uma oportunidade de desenvolvimento de projectos de comércio, lapidação e criação de joalharia por empresas e técnicos qualificados portugueses.

A coordenação da licenciatura em Engenharia de Minas e o Eng. Luís Chambel organizam uma sessão de divulgação da lei agora publicada, discutindo os problemas novos que coloca e as oportunidades que cria.

Além de permitir o desenvolvimento de projectos de alto valor acrescentado com empresas baseadas em Portugal, pretende-se com a nova legislação gerar novas oportunidades de trabalho, quer aos experientes técnicos formados na DIALAP e DIAMANG quer a uma nova geração qualificada.

Esta primeira sessão de esclarecimento pertence ajudar a criar contactos entre todos os interessados neste sector – alunos, docentes e investigadores do IST e de outras universidades, é claro, mas também os profissionais do sector, empreendedores, associações empresariais e profissionais, organismos e instituições do Estado.

A entrada é livre mas a inscrição é necessária (através do endereço de correio electrónico luischambel@sinese.pt).